O espaço natural que nos cerca tem muito pouco de natural. As modificações feitas por nós, humanos, neste espaço natural são tantas e tão frequentes que hoje é muito difícil identificar os elementos que não sofreram alterações provocadas pelo homem.
 
Dessa forma, vamos avançando em espaço geográfico, aquele misto de modificações feitas no espaço físico e social para preservar nossa espécie. Isso nos leva a reconhecer que o brasileiro ainda mora muito mal. Construir uma habitação decente no Brasil implica em considerar tantos fatores que, no final das contas, morar mal parece regra. Esse fato se confirma em tragédias como a que está acontecendo em Pernambuco e Alagoas.
 
Moro em Pernambuco e daqui as coisas parecem muito mais trágicas porque estou falando daquilo que acompanho mais de perto, se considerar os amigos que moram em outros estados/regiões do Brasil. A invasão das águas dos rios que "estouraram" expõe como nossa casa é pensada de forma imediata: queremos um lugar para morar, guardar nossas coisas, fazer nossas refeições, descansar e… um lar é mais que isso! É dignidade, mínimo de conforto, é o lugar pra onde voltamos quando encerramos nossa joranada diária pelo sobrevivência no mundo.
 
Não creio que fomos criados só para sobreviver. Então acompanhar o olhar perdido das pessoas que perderam tudo é lição que faz refletir sobre moradia, espaço, política pública, dignidade de estar bem, de morar bem. Nossa casa, nosso lar: que possa ser o mais perto do natural possível. Não dá pra morar em áreas de risco, mas tanta gente mora, não é mesmo? Tragédias assim nos mostram um jogo difícil de ser vencido pelos mais humildes: nosso país, e o Nordeste como repetição, é um celeiro de enormes desigualdades sociais. Não é diferente quando falamos em espaço natural ou geográfico. Muitas vezes só quem não tem onde morar é que constrói casa por onde passa um leito de rio, por exemplo, ou quem não sabe sobre como planejar seu lugar de morar. Se não sabe é porque faltou informação: da família, da escola, do poder público? Por que será que tanta gente não tem acesso a esse tipo de informação tão valiosa? A resposta não é tão desconhecida por nós, creio.
 
E a desigualdade no jeito de fazer a casa revela abismos sociais, se falarmos do lugar então… em áreas de risco, no leito do rio, dentro ou em cima de um lixão: isso é lugar onde gente deve morar?
 
Só não é desigual a solidariedade do brasileiro que  ajuda as vítimas dessa tragédia enviando carinho em forma de donativos. Agradeço a todos que estão ajudando nossos irmãos que perderam tudo… até seus sonhos, e é ruim demais quando sonhos são perdidos porque as outras coisas a gente vai trabalahndo e repondo, mas sonhos… só mesmo a solidariedade e o carinho do nosso próximo pode nos ajudar a trazer outros sonhos pra recomeçar…
 
Um grande abraço de luz a todos e que o sol brilhe cada vez mais ajudando  as grandes águas a secarem!
About these ads